terça-feira, 13 de maio de 2014

Trilogia Divegente de Verônica Roth - Resenha


A trilogia Divergente de Verônica Roth, é uma distopia que se passa na cidade de Chicago futurista e a sociedade é dividida em cinco facções, cada facção segue um "princípio", sendo assim, temos:

Amizade, Erudição, Franqueza, Abnegação e Audácia.

Quando as pessoas completam 16 anos, elas devem fazer um teste de aptidão. Mas para que esse teste?
Para decidir a qual facção pertence, ou seja, se vai ou não abandonar sua facção de origem e sua família e se transferir para outra facção onde vai passar o resto da sua vida. Neste teste as pessoas passam por situações onde devem tomar decisões que mesmo inconscientes levaram a eliminação das facções, assim tendo um único resultado (ou não). Geralmente deve-se ter apenas um ou dois resultados no teste. E isso nos leva a grande cerimônia de iniciação onde os jovem decidem que rumo tomar.

Se houver mais de dois resultados no teste, isso é considerado muito ruim, pois os indivíduos são considerados divergentes, ou seja, tem aptidão para muitas facções o que não condiz com a estrutura política e social das facções que é respeitar e viver naquele determinado princípio.


Talvez contenha alguns leves spoilers.

Divergente, o primeiro livro, é contado do ponto de vista de Beatrice Prior, ela é nascida na abnegação e seu teste tem resultado inconclusivo e muitas dúvidas pairam a sua cabeça, sua decisão surpreende a todos, inclusive a ela mesma, e que terá desdobramentos sobre sua vida, seu coração e até mesmo sobre a sociedade supostamente ideal em que vive. Agora ela é uma inciada e tem de sobreviver à provas para então se tornar de fato um membro desse novo grupo.

Em Insurgente, o segundo livro, vemos Tris, Quatro (seu instrutor) e  alguns amigos buscarem abrigo na Amizade. Neste nós conhecemos melhor as outras facções e podemos perceber que tem algo realmente muito errado, que nem tudo é o que parece. E de repente Amanda Ritter conhecida como Edith Prior surgi tranzendo uma bomba e tudo pode mudar em questão se segundos.

Em Convergente, o terceiro livro, trás de fato a revelação do conceito tão temido durante os dois primeiros livro da série e nos leva à um final surpreendente, sem dúvida algo que ninguém esperava e desejava de fato. Durante a leitura temos dúvidas e questionamentos quanto a inteligência de alguns personagens enquanto outros nós não compreendemos nem se quisermos.

Opinando: Divergente trás um mundo novo e diferente, com adrenalina e muito o que pensar sobre novas formas de viver, claro também trás intrigantes formas de pensar em como seria se tudo o que você viveu não fosse verdade. E no final, por mais que você não aceite e compreenda, até que valeu a pena ter lido.



Nenhum comentário:

Postar um comentário